Peito chiando: 8 Principais causas e o que fazer

A sibilância serve como um indicador clínico significativo e pode se manifestar em resposta a vários problemas de saúde subjacentes. Principalmente, está frequentemente associada a problemas respiratórios, como asma ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Essa ocorrência decorre do estreitamento ou inflamação característico das vias aéreas que caracterizam essas condições. Consequentemente, esta constrição ou inflamação dificulta a passagem suave do ar, levando ao som sibilante distinto e audível.

No entanto, é essencial reconhecer que a sibilância também pode servir como um potencial sinal de alerta para problemas cardíacos. Especificamente, quando a função do coração está comprometida, pode levar ao acúmulo de líquido nos pulmões, condição conhecida como edema pulmonar. Esse acúmulo de líquido pode obstruir as vias aéreas, agravando ainda mais as dificuldades respiratórias e contribuindo para a respiração ofegante.

Dado que a respiração ofegante é normalmente um sintoma de um problema de saúde subjacente, é imperativo procurar atendimento médico imediato. Consultar um clínico geral é o passo inicial nesse processo, pois ele pode realizar uma avaliação para determinar a causa da sibilância. Dependendo da avaliação, eles poderão encaminhá-lo para um especialista que possa fornecer um atendimento mais direcionado e especializado. Esta abordagem colaborativa garante que o plano de tratamento mais adequado seja iniciado prontamente, abordando a causa raiz da sibilância e melhorando a saúde e o bem-estar geral.

Principais causas

Certamente, vamos nos aprofundar nas principais causas da respiração ofegante:

1. Infecções respiratórias :

  • Infecções respiratórias, como infecções virais ou bacterianas, geralmente levam à respiração ofegante. Essas infecções podem inflamar e estreitar as vias aéreas, dificultando a passagem do ar. Condições como bronquite e pneumonia são exemplos em que pode ocorrer chiado no peito devido a infecção.

O que fazer:

  • O tratamento normalmente envolve tratar a infecção com antibióticos apropriados (para infecções bacterianas) ou medicamentos antivirais (para infecções virais). Em alguns casos, broncodilatadores ou corticosteróides podem ser prescritos para aliviar a respiração ofegante e a inflamação.

2. Asma :

  • A asma é uma doença respiratória crônica caracterizada por inflamação e hipersensibilidade das vias aéreas. Durante um ataque de asma, as vias aéreas ficam contraídas e produzem muco excessivo, resultando em respiração ofegante. Os gatilhos para ataques de asma podem incluir alérgenos, exercícios ou irritantes respiratórios.

O que fazer:

  • O manejo da asma inclui medicamentos de controle de longo prazo (como corticosteróides inalados e broncodilatadores de ação prolongada) para reduzir a inflamação das vias aéreas e a broncoconstrição. Os broncodilatadores de ação curta são usados ​​para alívio rápido durante ataques de asma. As mudanças no estilo de vida e a prevenção dos fatores desencadeantes também desempenham um papel crucial no manejo da asma.

3. DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica) :

  • A DPOC abrange condições como bronquite crônica e enfisema. Na DPOC, há limitação persistente do fluxo aéreo devido à inflamação crônica e danos ao tecido pulmonar. A sibilância geralmente ocorre como resultado do estreitamento das vias aéreas e da redução da função pulmonar.

O que fazer:

  • O tratamento da DPOC geralmente envolve broncodilatadores (de ação curta e prolongada) e corticosteróides inalados para melhorar a função pulmonar. A cessação do tabagismo é crucial para retardar a progressão da doença. A oxigenoterapia e programas de reabilitação pulmonar também podem ser recomendados.

4. Exposição à fumaça de cigarro :

  • A exposição à fumaça do cigarro, seja através do fumo ou do fumo passivo, pode irritar as vias respiratórias e causar respiração ofegante. Os produtos químicos tóxicos da fumaça do tabaco podem causar inflamação e constrição dos brônquios.

O que fazer:

  • O tratamento primário é a cessação do tabagismo. Evitar a exposição ao fumo passivo é essencial. Medicamentos e terapias para parar de fumar, juntamente com medicamentos respiratórios, se necessário, podem ajudar a controlar a respiração ofegante e os sintomas relacionados.

5. Inalando um objeto :

  • A inalação acidental de um objeto estranho, como um pequeno brinquedo ou partícula de comida, pode bloquear parcial ou completamente as vias aéreas. Essa obstrução pode causar respiração ofegante à medida que o ar luta para passar pela passagem bloqueada.

O que fazer:

  • É necessária atenção médica imediata para remover o objeto obstrutivo das vias aéreas. Os profissionais de saúde podem realizar procedimentos como broncoscopia para extrair o objeto com segurança. Em alguns casos, medicamentos e broncodilatadores podem ser administrados para aliviar a respiração ofegante.

6. Problemas cardíacos :

  • A respiração ofegante também pode estar associada a problemas cardíacos, especialmente insuficiência cardíaca congestiva. Quando o coração não consegue bombear o sangue com eficácia, o líquido pode se acumular nos pulmões, causando edema pulmonar. Esse acúmulo de líquido nos pulmões pode impedir o fluxo de ar e causar respiração ofegante.

O que fazer:

  • O tratamento da sibilância relacionada ao coração envolve o gerenciamento da doença cardíaca subjacente. Isso pode incluir medicamentos para melhorar a função cardíaca, diuréticos para reduzir o acúmulo de líquidos nos pulmões e modificações no estilo de vida, como mudanças na dieta e exercícios.

7. Apnéia do sono :

  • A apneia do sono é um distúrbio do sono caracterizado por breves interrupções na respiração durante o sono. Esses episódios podem causar respiração ofegante ou falta de ar enquanto o indivíduo luta para respirar. A apnéia do sono pode ser causada por vários fatores, incluindo obesidade e problemas anatômicos nas vias aéreas.

O que fazer:

  • O tratamento da apneia do sono pode envolver mudanças no estilo de vida, como perda de peso e terapia posicional. Máquinas de pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) são comumente usadas para manter as vias aéreas abertas durante o sono. Dispositivos odontológicos e cirurgia também podem ser opções para casos específicos.

8. Refluxo Gastroesofágico (DRGE) :

  • A DRGE ocorre quando o ácido do estômago retorna ao esôfago, muitas vezes causando azia. Em alguns casos, esse ácido também pode atingir as vias respiratórias, causando irritação e respiração ofegante. Isso é conhecido como sibilância induzida por refluxo ácido.

O que fazer:

  • O tratamento da sibilância relacionada à DRGE envolve mudanças no estilo de vida, como modificações na dieta, elevação da cabeceira da cama e controle de peso. Medicamentos, como inibidores da bomba de prótons (IBP) ou bloqueadores H2, podem reduzir a produção de ácido estomacal e aliviar os sintomas.

É importante notar que embora estas sejam as principais causas de sibilância, também pode haver outras causas menos comuns ou raras. A sibilância não deve ser ignorada, pois muitas vezes indica um problema de saúde latente. Se sentir chiado no peito, é aconselhável consultar um profissional de saúde para uma avaliação completa e tratamento adequado com base na causa subjacente.

Como parar de chiado no peito

Aqui está uma versão reorganizada das dicas sobre como parar de chiado no peito:

  1. Mantenha o ar úmido:
  • Use um umidificador.
  • Tome um banho quente e úmido.
  • Sente-se no banheiro com a porta fechada enquanto toma um banho quente.

2. Beba algo quente:

  • Relaxa as vias respiratórias.
  • Solta o muco pegajoso.

3 .Não fume e evite exposição à fumaça:

  • Fique longe de pessoas que fumam.

4. Siga as ordens do seu médico:

  • Tome seus medicamentos conforme as instruções.

5. Limpe o ar:

  • Use um filtro de ar com filtro HEPA.
  • Reduzir os alérgenos que muitas vezes levam a ataques de asma.

Bibliografia

Certamente! Aqui está uma lista reorganizada das referências:

  1. SOCIEDADE TORÁCICA AMERICANA. O que é apneia obstrutiva do sono em adultos? 2017. Disponível em: <https://www.thoracic.org/pacientes/paciente-resources/resources/obstructive-sleep-apnea-in-adults.pdf>. Acessado em 28 de julho de 2020.
  2. WEBMD. Apnéia do sono. Disponível em: <https://www.webmd.com/sleep-disorders/sleep-apnea/sleep-apnea>. Acessado em 28 de julho de 2020.
  3. SOCIEDADE PORTUGUESA DE GASTROENTEROLOGIA. Doença do refluxo gastroesofágico: padrões de orientação clínica. 2012. Disponível em: <https://www.spg.pt/wp-content/uploads/2015/11/NOC_drge.pdf>. Acessado em 2 de outubro de 2019.
  4. SILVA, Luiz Carlos et al.. Pneumologia: Princípios e Prática. 1.ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2012. 447-479.
  5. MONÓGRAFIA DE CONTROLE DE FUMO E TABACO NO. 9. Consequências do fumo de charuto para doenças. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/09b4/e65b363fbe72176f65c536b18854dcea173d.pdf>. Acessado em 28 de julho de 2020.
  6. JUNIOR, Luiz João A. Doença do refluxo gastroesofágico. JBM. Vol 102. 6 ed; 31-36, 2014.
  7. BROADDUS, V. Courtney. e outros. Tratado de Murray e Nadel sobre medicina respiratória. 6.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2017. p. 750-765.

A evidência científica é caracterizada pela sua natureza empírica, apoiando-se em observações e dados mensuráveis ​​para apoiar ou refutar hipóteses. O método científico, uma abordagem sistemática de investigação, orienta os pesquisadores na formulação de questões, na condução de experimentos e na obtenção de conclusões. Esta metodologia garante que os resultados sejam repetíveis, verificáveis ​​e sujeitos a revisão pelos pares, promovendo a transparência e a fiabilidade.