Diarréia constante: 5 causas comuns e como tratá-las

Você está lidando com diarréia constante que parece que não vai embora? Se assim for, você não está sozinho. A diarreia é um sintoma incrivelmente comum de muitos problemas de saúde e pode ser extremamente desconfortável e inconveniente. Nesta postagem do blog, veremos cinco das causas mais comuns de diarreia constante e discutiremos como tratá-las. Continue lendo para saber mais e assumir o controle de sua saúde.

1) Diarréia infecciosa

A diarreia infecciosa é uma das causas mais comuns de diarreia constante. Geralmente é causada por um vírus, bactéria ou parasita adquirido por meio de alimentos ou água contaminados. Os sintomas comuns de diarreia infecciosa incluem fezes aquosas, cólicas abdominais, febre, vômitos e náuseas. Se não for tratada, pode se tornar grave e levar à desidratação e desequilíbrio eletrolítico.

Diarréia constante
Diarréia constante


Para tratar a diarreia infecciosa, é importante descansar e beber muitos líquidos. Medicamentos de venda livre, como subsalicilato de bismuto (por exemplo, Pepto Bismol) e loperamida (por exemplo, Imodium) também podem ajudar a reduzir os sintomas. Se a diarreia persistir por mais de 3 dias ou se tornar grave, você deve procurar atendimento médico. Seu médico pode prescrever antibióticos se houver uma infecção bacteriana.

2) Intolerância à lactose

A intolerância à lactose é uma incapacidade de digerir a lactose do açúcar do leite. É causada pela falta da enzima lactase no sistema digestivo, que decompõe o açúcar do leite e permite que ele seja absorvido pela corrente sanguínea. Os sintomas de intolerância à lactose podem incluir dor abdominal, inchaço, cólicas, gases e diarreia.
Se pensa que pode ter intolerância à lactose, é importante consultar o seu médico. Seu médico pode solicitar exames de sangue ou um teste de respiração de hidrogênio para ajudar a diagnosticar a condição.
Se você for diagnosticado com intolerância à lactose, precisará evitar todos os produtos lácteos e seguir uma dieta rigorosa sem lácteos. Felizmente, agora existem muitas alternativas deliciosas de laticínios disponíveis nas lojas e online. Além disso, tomar um suplemento diário de lactase pode ajudar a reduzir os sintomas de intolerância à lactose, fornecendo ao corpo a enzima lactase suficiente para digerir pequenas quantidades de laticínios.

3) Doença celíaca

A doença celíaca é uma doença autoimune que afeta o sistema digestivo. Ocorre quando uma pessoa consome alimentos que contêm glúten, uma proteína encontrada no trigo, cevada e centeio. O sistema imunológico do corpo responde atacando o revestimento do intestino delgado. Isso pode causar danos ao intestino delgado e levar a diarreia, inchaço e outros sintomas gastrointestinais.
Pessoas com doença celíaca precisam seguir uma dieta rigorosa sem glúten para controlar sua condição. É importante observar que as pessoas com doença celíaca devem evitar não apenas trigo, cevada e centeio, mas também produtos que contenham vestígios desses ingredientes, como certos molhos e temperos. As pessoas com doença celíaca devem trabalhar com um nutricionista registrado para garantir que estão recebendo todos os nutrientes de que precisam, evitando o glúten.
Se você suspeitar que tem doença celíaca, é importante consultar seu médico imediatamente. A doença celíaca pode ser diagnosticada através de um exame de sangue ou endoscopia. Se você for diagnosticado com doença celíaca, seguir uma dieta rigorosa sem glúten é a única maneira de tratá-la com eficácia. Isso pode ajudar a reduzir os sintomas e evitar mais danos ao seu sistema digestivo.

4) Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável (SII) é um distúrbio comum que afeta o sistema digestivo. É caracterizada por dor abdominal recorrente, cólicas e inchaço, juntamente com alterações nos hábitos intestinais, como constipação, diarreia ou ambos. Esses sintomas geralmente vêm e vão e podem variar em intensidade. A SII pode ser difícil de diagnosticar porque não há testes que possam diagnosticá-la definitivamente. Em vez disso, os médicos contam com uma combinação de exames físicos, histórico médico e exames laboratoriais para fazer um diagnóstico.
Não existe uma causa única para a SII, mas certos fatores podem aumentar o risco de uma pessoa, como estresse, gatilhos alimentares e outras condições médicas. O tratamento se concentra no alívio dos sintomas e inclui mudanças na dieta e no estilo de vida, medicamentos e controle do estresse. Se seus sintomas forem graves ou persistentes, é importante falar com seu médico para desenvolver um plano de tratamento adequado.

5) Diarréia associada a antibióticos

A diarreia associada a antibióticos, também conhecida como diarreia induzida por antibióticos, é um efeito colateral comum de tomar antibióticos. Os antibióticos podem perturbar o equilíbrio natural das bactérias nos intestinos, levando à diarreia. Esse tipo de diarréia geralmente ocorre algumas semanas após o início de um curso de antibióticos. Em alguns casos, pode persistir por várias semanas após o término do tratamento com antibióticos.
Os sintomas de diarreia associada a antibióticos incluem cólicas e dor abdominal, inchaço, fezes aquosas ou amolecidas, náuseas e necessidade urgente de evacuar. Esses sintomas podem variar de leves a graves e podem durar de alguns dias a várias semanas.
Se estiver a tomar antibióticos e sentir algum destes sintomas, certifique-se de que fala com o seu médico. Eles podem recomendar a mudança para um tipo diferente de antibiótico ou sugerir suplementos probióticos para ajudar a restaurar o equilíbrio normal das bactérias no intestino. Além disso, eles podem recomendar medicamentos de venda livre para ajudar a reduzir os sintomas da diarreia. Em casos mais graves, seu médico pode prescrever um medicamento mais forte para tratar a diarreia.
Se você tiver diarreia grave ou persistente associada a antibióticos, entre em contato com seu médico imediatamente. Em casos raros, esse tipo de diarreia pode ser causado por uma infecção mais grave e pode exigir tratamento adicional.

Know More

Perguntas frequentes Diarréia constante

Qual é a principal causa de diarreia constante?

As principais causas de diarreia constante podem variar, mas algumas das causas mais comuns incluem diarreia infecciosa, intolerância à lactose, doença celíaca, síndrome do intestino irritável e diarreia associada a antibióticos.

Como prevenir a diarreia constante?

Para evitar a diarreia constante, você deve praticar técnicas adequadas de higiene e segurança alimentar. Certifique-se de lavar bem as mãos com água e sabão antes de comer e depois de ir ao banheiro. Também é importante evitar o contato com quem está doente e armazenar e preparar adequadamente os alimentos para evitar a contaminação.

O que devo fazer se tiver diarreia constante?

Se você tiver diarréia constante, é importante manter-se hidratado bebendo muitos líquidos. Você também deve consultar seu médico para um diagnóstico preciso e possíveis tratamentos adaptados às suas necessidades individuais.

Quais são algumas das complicações associadas à diarréia constante?

As complicações associadas à diarréia constante incluem desidratação, desequilíbrio eletrolítico, desnutrição e perda de peso. Casos graves podem exigir hospitalização e fluidos intravenosos. Se não for tratada, a diarreia constante pode levar a sérios problemas de saúde, como anemia e colite.

Existe cura para diarréia constante?

Não existe uma cura única para a diarréia constante, pois ela pode ser causada por uma variedade de fatores diferentes. O tratamento irá variar dependendo da causa subjacente e da gravidade dos sintomas. Em alguns casos, fazer mudanças no estilo de vida, como seguir uma dieta saudável ou evitar certos gatilhos, pode ajudar a reduzir os sintomas.

A evidência científica é caracterizada pela sua natureza empírica, apoiando-se em observações e dados mensuráveis ​​para apoiar ou refutar hipóteses. O método científico, uma abordagem sistemática de investigação, orienta os pesquisadores na formulação de questões, na condução de experimentos e na obtenção de conclusões. Esta metodologia garante que os resultados sejam repetíveis, verificáveis ​​e sujeitos a revisão pelos pares, promovendo a transparência e a fiabilidade.